¨Se eu pudesse deixar algum presente a você...
Deixaria para você,
se pudesse,
o respeito àquilo que é indispensável...
Além do pão, o trabalho.
Além do trabalho, a ação.
E, quando tudo mais faltasse, um segredo:
O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.¨

Gandhi

Ganesha Gam Ganesha Gam Ganesha Gam...

Ganesha Gam Ganesha Gam Ganesha Gam...

ÔMMMMMMMMMMMMMM

ÔMMMMMMMMMMMMMM
Yoga é uma prática milenar, um caminho em direção a essência do ser, que nos ensina a reconhecer a experiência de existir plenamente, com boa saúde física, mental e espiritual, sempre em sintonia com a dança da vida.
São Paulo, S.P., Brazil
Marcynha talvez retrate melhor o meu metro e meio de altura. Fui Marcynha desde sempre, nas escolas onde estudei, na faculdade de enfermagem que não concluí, na faculdade de psicologia onde me formei (FMU - 1994), na especialização em Terapia Cognitiva Construtivista da UNIP em 95... Inquieta, sempre buscando novidades, querendo um algo mais... Em 1996 atrás de um novo caminho na psicologia encontrei o caminho do Yoga, um caminho muito além da psicologia, muito além da profissão, um caminho para experimentar a vida! Foi no Yoga que me re descobri, psicóloga por herança familiar e professora de Yoga (desde 1998) por uma escolha que veio do coração. Yam...Yam...Yam... Posso até dizer que meu sobrenome foi uma pista, em sua sonoridade, para que eu ouvisse meu coração. No Yoga encontrei o caminho que me inspira viver e compreender a experiência dessa existência humana.

Arquivos do blog

segunda-feira, 11 de abril de 2011

WABI SABI

Wabi-sabi é a beleza das coisas imperfeitas, efêmeras, e incompletas. É a beleza das coisas modestas e humildes. É a beleza das coisas não-convencionais. Os conceitos de wabi-sabi estão relacionados com os do Zen Budismo, uma vez que os primeiros japoneses envolvidos com wabi-sabi foram os mestres da cerimônia do chá, sacerdotes e monges que praticavam o Zen. O Zen-Budismo originou-se na Índia, viajou para a China no século VI, e foi inicialmente introduzido no Japão por volta do século 12. Zen enfatiza "acesso direto e intuitivo à verdade transcendental acima de qualquer concepção intelectual". No cerne da wabi-sabi está a importância dos caminhos transcendentes em olhar e pensar sobre as coisas e a existência. •Todas as coisas são efêmeras •Todas as coisas são imperfeitas •Todas as coisas são incompletas

domingo, 10 de abril de 2011

SWEAT YOUR PRAYERS

"To sweat is to pray, to make an offering of your innermost self. Sweat is holy water, prayer beads, pearls of liquid that release your past. Sweat is an ancient and universal form of self-healing, whether done in the gym, the sauna, or the sweat lodge. I do it on the dance floor. The more you dance, the more you sweat. The more you sweat, the more you pray. The more you pray, the closer you come to ecstasy." Gabrielle Roth.Here are a few points to help get you started: Keep moving. As we move, we stir things up. You may hit patches of fatigue, frustration or discomfort. Even if you can only wiggle a finger or nod your head to the beat, stay in motion that until something changes. Movement opens the door to the alchemy of this practice. Pace yourself. No matter other people are doing, honor your own body and physical energy. If you rest in the beat when you get tired, you’ll be ready to ride the next wave of energy when it comes. Respect your body’s needs and limitations; there’s no need or reason to push. Practice respect. Is your ‘partner’ sending signals that he/she wants to be left alone? Do people have to dance around you while you stop for a chat on the dance floor? Are you so lost in your own excitement, swinging yourself or a partner through the air, that people have to come out of their own meditation to avoid being whacked by one of your limbs? Mindfulness in relation to others is a basic tenet of meditation, especially here. Practice silence. We spend many waking hours, too often our whole lives, listening to the endless thoughts in our head, socializing and talking as we skim the surface of ourselves. This meditation is an invitation to drop the words, speak with your body, turn your being into a moving work of art, let your very self become a dance. If you can’t resist talking, please go outside so others may enjoy the silence. Stay present. As with any meditative practice, you will deal continuously with distractions. You may have the sudden urge to admire the décor, find a partner right away to entertain you, seduce someone, get lost in judgment about the temperature or the teacher or the music, compare yourself to that amazing dancer (coming out on top or in the cellar) – in other words, to get away from yourself. Just notice when you get distracted, and gently bring your attention back to your feet, the beat, the breath, the dance. Release your expectations. You might be ready to play today, but what if no one else is in the mood? What happens when you have a hankering for a certain kind of music and the teacher has different plans? We might prefer dancing to our favorite song, in our favorite outfit, with our favorite partner, but clinging to ideas of “how it should be” cuts you off from what is actually happening. It’s not just about the music. The teacher uses music to catalyze and support what’s happening on the dance floor. While a certain piece of music may evoke strong emotions for you, how you respond is up to you. The music is a platform for your practice. You don’t have to love it - just respond. Sometimes not liking something is a great way to access creative movements. Stretch yourself. If you always dance alone, you might try including someone else in your dance. If you are constantly on the prowl for a partner, maybe it’s time to ‘go solo’. Slow down - or speed up - and see what happens. Experiment with different ways of moving. Of being still.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

VIVER NO CORAÇÃO - Mestre RAM

A passagem da vida fora do coração para a vida dentro do coração é realmente um novo nascimento. Quando a consciência se estabiliza no coração o mundo muda, o seu olhar para o mundo muda, a sua percepção do mundo muda, e o mundo realmente muda pra você. A vida dentro do coração é... Uma vida nova, uma vida onde a distância e a separação são abolidas. Uma vida onde o mental não pode mais lhe enganar. Chegando nesse nível, a maior parte dos véus da ilusão e da separação se dissolvem. É a descoberta de um estado que faz com que você descubra de maneira verdadeira, além da alegria, a serenidade, a pureza e a ausência de conflitos interiores. A vida se desenrola com novas normas, O mundo externo muda porque seu olhar muda, Porque você percebe no outro, nos outros, os jogos da ilusão... E então todo julgamento desaparece. Uma nova vida começa então para você. Vida onde não há lugar para dúvidas, para interrogações. Você se dá conta da vaidade, da inutilidade das construções mentais, dos jogos de poder, de domínio, dos próprios jogos de sedução. Nenhum dos jogos do ego, da personalidade, lhe interessa mais. Os questionamentos se calam, O sentido da vida lhe aparece na sua majestosa simplicidade. Você não tem mais nada a defender, Você não tem mais nada a provar, Você não tem mais nada a demonstrar, Você simplesmente É. Sai da ilusão de pertencer a esta realidade para entrar na sua própria Divindade. A visão torna-se penetrante. O tempo que flui lhe parece como a suprema ilusão que ele é. Tornam-se capazes de viver múltiplas realidades de uma só vez. Os véus da separatividade lhes foram irremediavelmente retirados. Percebem a multiplicidade e o jogo das dimensões que participam todas da mesma Unidade. Estar no coração não é uma palavra em vão. Estar no coração não é mais definir o coração com a cabeça, É definir o coração com o coração. Vive-se a Unidade. E também um sentimento de profunda unificação com a Divindade. Se vive na humildade, agradecendo à Fonte reencontrada. Esse estado precisa que algumas crenças sejam abandonadas. Precisa de uma neutralidade bondosa E produz uma serenidade permanente. Assim, instala-se a Paz. Instala-se a Verdade Suprema, Que é Beleza, Que é LUZ, Que é AMOR. Um estado vibratório no meio do peito assinala a abertura do seu Templo Interior. E o contato do seu Interior com a Fonte. Toda alma se direciona para esse objetivo, Não por uma vontade, mas por uma tensão de Serviço em direção à Luz. Nestes tempos e nesta época, as circunstâncias de vida na terra facilitam o acesso a esse nível, à realidade da sua divindade e do seu coração. Não basta acreditar no coração para se colocar vivendo nele. Isso necessita de um impulso, Uma tensão total da consciência em sua direção... A tensão vem junto com o soltar-se... Não se trata também de uma resistência a ser vencida, Mas muito mais de um estado de aceitação, De submissão e fidelidade à verdade da Luz. A esse nível a vida é gratuita. A abundância da vida, a abundância da Luz. Um Servir espontâneo e não criado, Amor espontâneo e não ditado. Viver no coração não é uma idéia nem um conceito, nem um comportamento, mas uma vibração da consciência que está nascendo no meio do seu peito. A vida no coração manifesta-se por uma vibração. Somente você pode penetrar no santuário!!!!